Como no final poderei medir minha vida?

outubro 29th, 2015 Posted by Colunas No Comment yet

completei

Fiz o melhor que pude na corrida, cheguei até o fim, conservei a fé. E agora está me esperando o prêmio da vitória, que é dado para quem vive uma vida correta, o prêmio que o Senhor, o justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos os que esperam, com amor, a sua vinda.   2Timóteo 4:7-8

Na conhecida declaração do apóstolo Paulo a Timóteo ele afirma de forma contundente a sua certeza de ter vivido tudo que Deus havia planejado para ele, de forma que agora, no final, ele podia dizer que concluiu, terminou a carreira, a obra, a corrida que para ele tinha sido planejada desde a eternidade.

A afirmação de Paulo me desafia a respeito da minha própria. Diante da convicção do experiente apóstolo de Cristo, resta-me refletir sobre a minha obra, a minha carreira e, assim, me perguntar se terei o privilégio de chegar ao final e dizer: “terminei, está acabado, não faltou nada a ser realizado; morro vazio pois não me poupei, não reservei nada, não retive nada, fui até o fim naquilo que Deus confiou em minhas mãos!”

Bem, eu espero que sim e, mais que isto, eu luto, trabalho e me empenho para que no final eu não tenha deixado nada inacabado e não tenha do que me arrepender. Mas, para que eu possa afirmar que completei a obra designada, a primeira coisa que se faz necessária é conhecer o que devo fazer, qual é o plano de Deus para mim. Pois, afinal, para saber se uma obra está concluída, é preciso, antes mesmo de começá-la, saber como ela será no final, quando estiver pronta, pois assim saberei se cheguei ao final.

É como uma viagem: para começar é preciso saber o destino para o qual estou indo para assim, enfim, saber se cheguei ao lugar destinado.

O mais interessante é ver Paulo, em outro momento anterior declarando que seria melhor estar com Cristo, ou seja, morrer, mas que ainda esta hora não teria chegado porque havia coisas a fazer. Portanto, ele afirma, “não chegou a minha hora”. Paulo revela uma compreensão clara da Obra de Deus na sua vida, ele discerne sobre os tempos de Deus para ele.

Este é um discernimento que busco ter na minha relação com Deus. Quero conhecer seus planos, seus desígnios e, assim, trabalhar, lutar, empenhar de todo coração, de toda minha alma e com todas as minhas forças para ver materializado no meu viver o que Ele tem para mim e através de mim. Não quero ficar distraído com outras coisas; não quero me embaraçar com os cuidados desta vida; não quero me envolver em relacionamentos que me desviem ou atrasem a obra de Deus em mim.

Não quero folgar, não quero me conformar e dizer: “está bom assim”!

Não quero ser como aqueles que cansaram e desistiram, que se esforçaram por um tempo e depois abriram mão.

Não quero, seja por cansaço, ou por preguiça, ou até mesmo pela solidão que possa ser imposta pela Obra a ser realizada, desistir… ou o conforto da mediocridade do “está bom”!

Eu quero, como Paulo, chegar ao final da minha jornada com plena certeza de ter feito tudo que a mim foi confiado pelo Criador.

Então, fica a pergunta: Qual é a sua Obra? Qual é o chamado de Deus para sua vida? O que você está investindo nestes melhores e mais vigorosos anos da sua vida é a Obra de Deus para você? Qual é a sua vocação?

Lembre-se de que no final todos nós estaremos diante do Cordeiro; será entre você e Ele. Nenhuma desculpa será aceita e você tem que ter convicção de que o sacrifício Dele por você não foi em vão. Pois você pode dizer: “já não sou eu quem vivo, mas Cristo vive em mim”.

O final será bom, se o seu hoje, se a sua obra de hoje, estiver de acordo com o destino a você reservado.  Se não, ainda há tempo. Arrume sua vida hoje, para que seu amanhã seja como o de Paulo, então você também poderá dizer: “completei a obra que a mim foi confiada”.

The comments are closed.